Anúncio

Recolher
No announcement yet.

Comissões Internas de Prevenção de Acidentes - CIPAs

Recolher
X
Recolher

  • Comissões Internas de Prevenção de Acidentes - CIPAs

    Publicado, originalmente, em 06-5-2010.



    Comissões Internas de Prevenção de Acidentes - CIPAs

    Um dos nossos leitores questionou sobre a legalidade da decisão do empregador que resolveu não realizar eleições para a CIPA, mantendo as mesmas pessoas eleitas no ano anterior.

    As Comissões Internas de Prevenção de Acidentes - CIPAs, estão previstas nos artigos 163 a 165 da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, que têm a seguinte redação, conforme resulta das alterações introduzidas pela Lei nº 6.514, de 22-12-1977:
    Art. 163 - Será obrigatória a constituição de Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA), de conformidade com instruções expedidas pelo Ministério do Trabalho, nos estabelecimentos ou locais de obra nelas especificadas.
    Parágrafo único - O Ministério do Trabalho regulamentará as atribuições, a composição e o funcionamento das CIPA(s).

    Art. 164 - Cada CIPA será composta de representantes da empresa e dos empregados, de acordo com os critérios que vierem a ser adotados na regulamentação de que trata o parágrafo único do artigo anterior.
    § 1º - Os representantes dos empregadores, titulares e suplentes, serão por eles designados.
    § 2º - Os representantes dos empregados, titulares e suplentes, serão eleitos em escrutínio secreto, do qual participem, independentemente de filiação sindical, exclusivamente os empregados interessados.
    § 3º - O mandato dos membros eleitos da CIPA terá a duração de 1 (um) ano, permitida uma reeleição.
    § 4º - O disposto no parágrafo anterior não se aplicará ao membro suplente que, durante o seu mandato, tenha participado de menos da metade do número de reuniões da CIPA.
    § 5º - O empregador designará, anualmente, dentre os seus representantes, o Presidente da CIPA e os empregados elegerão, dentre eles, o Vice-Presidente.

    Art. 165 - Os titulares da representação dos empregados nas CIPA (s) não poderão sofrer despedida arbitrária, entendendo-se como tal a que não se fundar em motivo disciplinar, técnico, econômico ou financeiro.
    Parágrafo único - Ocorrendo a despedida, caberá ao empregador, em caso de reclamação à Justiça do Trabalho, comprovar a existência de qualquer dos motivos mencionados neste artigo, sob pena de ser condenado a reintegrar o empregado.
    Obrigatoriedade da Constituição da CIPA

    Como permite inferir o art. 163, nem toda empresa está obrigada a constituir uma CIPA, embora nada impeça que, mesmo não obrigada, institua tal Comissão. Os parâmetros da obrigatoriedade, e o respectivo número de componentes, estão previstos na NR-5 (Norma Regulamentadora 5) do Ministério do Trabalho, cujo texto está anexo a este artigo. Também anexo o Manual da CIPA, elaborado pelo Ministério do Trabalho.

    A análise do Quadro I da NR-5 permite concluir que a constituição da CIPA é obrigatória quando o empregador tiver 20 ou mais empregados, sendo o número de integrantes progressivamente maior, conforme o número de trabalhadores empregados.

    Garantia do Emprego dos Representantes dos Empregados nas CIPAs

    Cabe ao empregador escolher e indicar seus próprios representantes e, dentre eles, indicar o Presidente da CIPA. Os membros indicados pelo empregador, porque de sua livre escolha e porque presumivelmente lá estarão como representantes do empregador, não gozam de qualquer estabilidade ou garantia de emprego decorrente do fato de integrarem a CIPA.

    Contudo, aos trabalhadores, mediante eleição, cabe a escolha do Vice-Presidente e suplentes da sua representação. Aos representantes dos empregados (titulares e suplentes eleitos), é assegurada a proteção contra a despedida arbitrária, desde o registro da candidatura até um ano após o final do respectivo mandato (que também é de um ano), nos termos do art. 10, II, a, das Disposições Constitucionais Transitórias, assim redigido:

    Art. 10. Até que seja promulgada a lei complementar a que se refere o art. 7º, I, da Constituição:
    (...)

    II - fica vedada a dispensa arbitrária ou sem justa causa:

    a) do empregado eleito para cargo de direção de comissões internas de prevenção de acidentes, desde o registro de sua candidatura até um ano após o final de seu mandato;
    Com o que vimos até agora, já se pode responder ao questionamento do leitor, no sentido de que, estando o empregador obrigado à constituição da CIPA, ele não pode deixar de constituí-la e, portanto, não pode deixar de promover a eleição dos representantes dos trabalhadores.

    Procedimento de Eleição dos Representantes dos Empregados na CIPA

    A CLT obriga à eleição anual. A NR-5, por sua vez, no item 5.38, regulamenta o processo eleitoral, sendo importante lembrar que ele deve ser iniciado até, no mínimo, 60 (sessenta) dias antes do término do mandato em curso, deve ser amplamente divulgado no estabelecimento e comunicado ao sindicato dos trabalhadores.

    Deve ser constituída Comissão Eleitoral (se já houver CIPA na empresa), ou formada uma pela indicação do empregador, nas empresas que não tenham CIPA.

    O período mínimo de inscrições para os candidatos à eleição deve ser de 15 (quinze) dias e a eleição deve ser realizada até, no mínimo, 30 (trinta) dias antes do término de um mandato em curso.

    Eventuais denúncias por irregularidades na constituição e eleições para as CIPAs podem ser encaminhadas diretamente ao Ministério do Trabalho (nas suas unidades descentralizadas), por qualquer empregado interessado ou pelo sindicato da categoria a que pertencer. Também podem ser encaminhadas por intermédio do Ministério Público do Trabalho e, se necessário, mediante ação trabalhista em favor do(s) prejudicado(s).

    Maurício S. Bastos
    Juiz do Trabalho
    Arquivos Anexos
      Posting comments is disabled.

    Categorias

    Recolher

    Últimos Artigos

    Recolher

    • Comissões Internas de Prevenção de Acidentes - CIPAs
      Mauricio_Bastos
      Publicado, originalmente, em 06-5-2010.



      Comissões Internas de Prevenção de Acidentes - CIPAs

      Um dos nossos leitores questionou sobre a legalidade da decisão do empregador que resolveu não realizar eleições para a CIPA, mantendo as mesmas pessoas eleitas no ano anterior.

      As Comissões Internas de Prevenção de Acidentes - CIPAs, estão previstas nos artigos 163 a 165 da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, que têm a seguinte redação, conforme
      ...
      15-08-2016, 17:39
    • Aviso-prévio Proporcional - Lei 12.506/2011
      Mauricio_Bastos
      No dia 13-10-2011 foi publicada a Lei nº 12.506, de 11-10-2011, dispondo sobre o aviso-prévio proporcional ao tempo de serviço.

      Com apenas dois artigos, essa lei suscitou diversas dúvidas ao ser publicada:



      A primeira dúvida a surgir relacionava-se à data a partir da qual os trabalhadores poderiam exigir seu cumprimento.

      Conforme prevê o art. 2º, a lei entrou em vigor na data de sua publicação, isto é, em 13-10-2011, quando publicada no Diário...
      15-08-2016, 05:40
    Working...
    X